SEGURO DE VIDA ARRECADA R$ 13,69 BILHÕES EM PRÊMIOS

seguro_de_vida-790x400

Pela primeira vez, o seguro de vida ultrapassou o de automóvel no volume de prêmios, registrando um avanço de 10,8% sob 6,7% em 2017. A arrecadação do segmento foi de R$ 13,69 bilhões, crescendo 4,48% na comparação com o ano anterior.

De acordo com levantamento da FenaPrevi, o ramo de pessoas teve um excelente desempenho no ano passado. O seguro prestamista teve avanço de 23,42%, o seguro viagem de 22,62% e o seguro educacional um crescimento de 13,24%.

“O setor apresentou forte crescimento nominal em 2017 e o resultado demonstrou a resiliência do setor. Com a retomada do crescimento econômico, nossa expectativa é manter o ritmo de expansão, com mais brasileiros contratando seguros para proteção pessoal e familiar”, diz Edson Franco, presidente da entidade.

SEGURO DPVAT: UMA CERTEZA PARA O ENFRENTAMENTO DO RISCO

dpvat2

Paulo Amador – Jornalista e escritor

Em 2017, o Seguro DPVAT indenizou mais de 380 mil pessoas, vítimas de acidentes de trânsito, ocorridos no território nacional, incluídos nesse número dois registros que apontam no sentido de uma verdadeira tragédia: 41.151 indenizações por morte e 284.191 por invalidez permanente. A situação é ainda mais dramática para o País, quando se considera que, entre as vítimas fatais, nada menos que 10.232 indenizações foram pagas por morte de jovens com idades compreendidas entre 18 e 34 anos. O Brasil, nunca é demais registrar, ocupa o 5º lugar no ranking negativo de países com maior índice de acidentes de trânsito em todo o mundo.

Mas esse drama, que envolve o sofrimento e a privação de famílias atingidas pela fatalidade ou pela irresponsabilidade dos condutores de veículos motorizados, poderia ser ainda muito mais doloroso se o Brasil não pudesse contar, pelo menos, com uma certeza na hora do enfrentamento do risco: o Seguro DPVAT. Modelo surgido na década de 60, e aperfeiçoado ao longo do tempo pela prática por leis e normas colocadas em vigor, este sistema de proteção é uma grata conquista do exercício da cidadania. Estendido à totalidade da população brasileira, qualquer pessoa, independentemente de sua condição social ou econômica – proprietários de veículos ou não – está coberta pelo DPVAT.

Administrado pela Seguradora Líder-DPVAT, e operado por um consórcio de seguradoras, o seguro está próximo de qualquer pessoa, em qualquer ponto do território nacional, onde e quando ocorra um acidente de trânsito com vítimas. E pode ser facilmente acessado, sem nenhuma complicação, através de milhares de pontos de atendimento de uma rede que inclui, entre outros locais, agências de correios, filiais e sucursais de seguradoras, agências bancárias, postos dos Detrans estaduais e Procons. Soma-se a esta amplíssima presença regionalizada um esforço permanente de ampliação da transparência e visibilidade do seguro, através de campanhas de comunicação, que buscam facilitar a compreensão do que é o DPVAT, e como pode ser acessado de maneira muito simples que dispensa e repele, por exemplo, a utilização de intermediários.

E tem sido graças a esta busca permanente de eficiência que o Seguro DPVAT, a cada dia mais conhecido e acessado pela população brasileira, vem registrando números verdadeiramente impressionantes em sua operação. Em apenas cinco anos, por exemplo – entre 2013 e 2017 – o seguro indenizou mais de 2,86 milhões de pessoas vítimas em acidentes de trânsito, aí estando incluídas mais de 229 mil coberturas por morte, e cerca de 2,2 indenizações por invalidez parcial ou permanente.

Para se conhecer mais produtivamente o que tem sido o DPVAT na vida dos brasileiros, como certeza para o enfrentamento aos riscos de um acidente fatal ou incapacitante, vale uma recomendação: a leitura do Relatório de Atividades da Seguradora Líder do ano de 2017, que pode ser facilmente acessado pelo site www.seguradoralider.com.br/Seguro-DPVAT. Conhecer melhor o funcionamento e os resultados operacionais dessa instituição é um excelente exercício. Além de útil e oportuna, essa leitura vai permitir que o cidadão conheça, por fonte direta, um sistema que tem sido uma das mais efetivas – e na maioria dos casos, a única – certeza de proteção às vítimas de acidentes de trânsito, e a suas famílias em hora de infortúnio.

 

 

PROJETO DE LEI SUBSTITUI SEGURO DPVAT

212856judge_oder_sign

Uma proposta do deputado federal e corretor de seguros Lucas Vergílio (SD-GO), quer alterar o seguro DPVAT e já está em análise na Câmara dos Deputados. O projeto de lei substitui o benefício pelo Seguro Obrigatório de Acidentes de Trânsito (Soat), e busca estabelecer a livre concorrência.

O Projeto de Lei 8338/17 propõe que os proprietários de veículos possam escolher a seguradora autorizada para contratar o Soat. Os prêmios e valores de indenização passarão a ser estabelecidos pelas companhias, e supervisionado pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP).

Para Vergílio, o DPVAT já está desgastado em sua operacionalização, fazendo com que o número de fraudes aumente a cada ano. “Grande parte dos problemas se deve ao modelo ultrapassado e pouco eficiente. Merece destaque a ausência de concorrência, visto que o seguro é comercializado por um único agente operador, a Seguradora Líder do Consórcio DPVAT, com valores de indenização fixados diretamente na Lei 6.194/74 [Lei do DPVAT] e prêmios estabelecidos pelo CNSP”, critica.

Ainda de acordo com o deputado, a sanção do PL será benéfica a todos os agentes do setor. “De um lado, os segurados poderão ter acesso a prêmios potencialmente mais baixos e coberturas mais amplas, em razão da maior concorrência. De outro, as seguradoras poderão atuar em condições estabelecidas pela dinâmica do mercado, e não mais fixadas unilateralmente pela União”.

A proposta vai manter a quitação do prêmio do seguro como requisito para licenciamento anual dos veículos, e tramita em caráter conclusivo pelas comissões de Viação e Transportes; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 

CONVENÇÃO COLETIVA DE TRABALHO 2018 ENTRA EM VIGOR!

28796086_1462389997223516_6536102289265698867_n

Já está em vigor a Convenção Coletiva de Trabalho 2018 , firmada entre o Sindicato dos Securitários RN e o SINEC-RN- Sindicato das Empresas Corretoras de Seguros, de Previdência, de Capitalização e de Resseguros do RN. Nos próximos dias, o acordo será registrado no Ministério do Trabalho. 

“Todos os pontos definidos pelo instrumento regulador já encontram-se assegurados e vigentes desde o dia 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2018; porém, o registro no Ministério do Trabalho é fundamental para que a Convenção se torne oficial”, diz o presidente do Sinec RN, Romer Torres.

A Convenção regulamenta, entre outros pontos, o reajuste salarial da categoria de profissionais envolvidos com o mercado segurador no Rio Grande do Norte. De acordo com o estabelecido, as Empresas Corretoras de Seguros, de Previdência, de Capitalização e de Resseguros do RN, terão que conceder aos seus empregados reajuste salarial de 3% (três por cento), incidente sobre o salário vigente no ano de 2017. O acordo ainda ressalta a questão do piso salarial para os profissionais da categoria, ou seja, nenhum empregado securitário poderá ser admitido, promovido ou permanecer no cargo com salário inferior a:

• Pessoal de portaria, limpeza, continuo e assemelhados:

R$ 989,00 (Novecentos e oitenta e nove reais)

• Auxiliar administrativo, Escritório e Operador de Call Center:

R$ 1.087,00 (Hum mil e oitenta e sete reais)

Com relação aos benefícios, ficou estipulado em R$ 10,00 o auxílio refeição por cada dia trabalhado (sendo o benefício não acumulativo), sem nenhum tipo de custeio por parte dos empregados. Assim como o Auxílio Creche/Babá, que reembolsa despesas realizadas e comprovadas com crianças que tenham até 5 anos, no valor de R$ 90,00 mensais. O mesmo reembolso também é válido para empregados que tenham filhos portadores de necessidades especiais, devidamente comprovadas por atestado fornecido pelo INSS, Instituição autorizada ou por médico pertencente a convênio mantido pela Empresa.

Os empregados securitários ainda são beneficiados com seguros de vida e acidentes pessoais e auxílio funeral, ficando, desta forma, garantido um capital de R$ 45 mil para os casos de morte natural e invalidez permanente por acidente, R$ 90 mil em caso de morte acidental, e de no mínimo R$ 3 mil para auxílio funeral.

No site do Sinec você encontra na íntegra a Convenção Coletiva de Trabalho 2018, acesse www.sinec.com.br.

SUSEP SUSPENDE INÍCIO DO PRAZO PARA O RECADASTRAMENTO DAS SOCIEDADES CORRETORAS

Susep

Conforme o disposto na Circular Susep 567, de 27 de fevereiro de 2018, publicada nesta quarta-feira, 28 de fevereiro, no Diário Oficial da União (DOU), a Superintendência de Seguros Privados suspendeu o início do prazo de recadastramento para as sociedades corretoras, antes estipulado em 1º de março.

A medida ocorre em função do aprimoramento do sistema interno de recadastramento da autarquia. Tão logo as adequações no sistema sejam realizadas, a Susep informará a nova data para o início do processo.

Confira a Circular na íntegra:

image1.JPG

NO RN, TAXA DE LICENCIAMENTO DO DETRAN PODE SER PAGA ATÉ MARÇO SEM REAJUSTE

No dia 5 de março, a taxa passa de R$ 60 para R$ 90. Até lá, os motoristas cadastrados no estado podem imprimir o boleto e pagar o valor sem o reajuste.

 Ocalendário de licenciamento de veículos automotores referente ao exercício 2018 foi divulgado pelo Departamento Estadual de Trânsito do RN. O licenciamento, que não sofria qualquer tipo de correção desde 2005, vai ser reajustado a partir do dia 5 de março – passando de R$ 60 para R$ 90. Porém, segundo o Detran, os proprietários de veículos cadastrados no estado podem pagar a Taxa de Licenciamento sem reajuste até o dia 4 de março, prazo final da vigência do valor antigo.

Diretor-geral do Detran-RN, Eduardo Machado lembra que mesmo com o reajuste, a Taxa de Licenciamento de veículos do Rio Grande do Norte continua sendo a menor do país, ficando abaixo da média entre os estados nordestinos, que é de cerca de R$ 110. Ele deu como exemplo a Paraíba, onde a taxa custa R$ 140,22, e o Ceará, que cobra R$ 118,33.

Para pagar a Taxa de Licenciamento antecipado, basta emitir o boleto de pagamento diretamente no site do Detran-RN sem a necessidade de esperar o carnê, que vai sendo emitido de acordo com final das placas dos automóveis. Clique AQUI para acessar o serviço.

Como fazer

O processo de emissão do boleto é simples. O usuário acessa o site do Detran (www.detran.rn.gov.br) e clica no ícone “Consulta de Veículos” na página principal. Depois, é só digita a placa e o Renavam do veículo que deseja efetivar a verificação. Feito isso, o condutor alcança a listagem dos débitos referentes ao Licenciamento e IPVA do veículo. Em seguida, é só clicar na taxa que deseja efetuar o pagamento, e imediatamente é aberta uma nova tela com as opções de emissão de boleto bancário direcionado ao Banco do Brasil ou as demais instituições bancárias.

A Taxa de Licenciamento é o único tributo referente aos veículos cuja arrecadação é de responsabilidade do Detran. Os valores angariados são utilizados na manutenção física das instalações do órgão e nas ações empreendidas pela instituição em todo o estado.

Frota

Segundo dados do setor de Estatística do Detran, há no Rio Grande do Norte 1.235.100 veículos registrados, sendo Natal (394.465) e Mossoró (155.480) os dois primeiros municípios no ranking de maior quantidade absoluta de automóveis, correspondendo a 31,94% e 12,59% do total da frota do estado, respectivamente.

Calendário de Licenciamento 2018 – Detran/RN

RENOVAÇÃO DO LICENCIAMENTO ANUAL DE VEÍCULOS

Algarismo final da placa Vencimento da Taxa de Licenciamento Validade do CRLV de 2017
1 19 de fevereiro Até setembro
2 20 de fevereiro Até setembro
3 7 de março Até outubro
4 8 de março Até outubro
5 5 de abril Até outubro
6 6 de abril Até novembro
7 3 de maio Até novembro
8 4 de maio Até novembro
9 4 de junho Até dezembro
0 5 de junho Até dezembro

farol-baixo-aceso-carros-agbr-1280x720-576x324

VOLTA ÀS AULAS: CONFIRAM ALGUMAS DICAS PARA ESCOLHER O TRANSPORTE ESCOLAR MAIS SEGURO

volta as aulas

Chegou a hora da criançada voltar às aulas! Nesse período, a atenção dos pais deve estar voltada à segurança dos pequenos que dependem do transporte escolar. Para conferir algumas dicas sobre esse assunto, fique atentos as seguintes dicas:

Conhecer bem o condutor

Atenção, pais! Conhecer o motorista e o jeito que ele dirige é essencial! De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro, o motorista da van ou do micro-ônibus de transporte escolar precisa ter mais de 21 anos, possuir habilitação na categoria D, não ter antecedentes criminais e deve ter passado por um curso de formação específica para a atividade, com atualização a cada cinco anos. Mesmo assim ficou com dúvida? Outra dica bem bacana é pedir referências para os pais de outros estudantes.

Segurança em primeiro lugar

Principalmente nos veículos de transporte escolar, a segurança é item indispensável! Por isso, além de utilizar os acessórios de segurança adequados à sua idade, como o cinto, as crianças também devem seguir algumas regras básicas como não ficar atrás do veículo, não se apressar para embarcar ou desembarcar e sempre respeitar o motorista. Por isso, os pais devem redobrar a atenção, sempre dando o exemplo.

O trânsito é o maior responsável pela morte acidental de crianças

Somente em 2017, cerca de 500 crianças e adolescentes de 0 a 17 anos perderam a vida em acidentes de trânsito, de acordo com indenizações pagas pelo Seguro DPVAT. Por isso, é importante escolher bem o transporte das crianças, afinal, a falta de segurança no trajeto de casa até a escola aumenta bastante as chances de acidentes.

DIGITALIZAÇÃO DE DOCUMENTOS FACILITA A VIDA DOS BENEFICIÁRIOS

sinec digitalizacao

Boas notícias para os beneficiários do Seguro DPVAT! Já é possível digitalizar os documentos necessários para dar entrada ao pedido de indenização nos pontos de atendimento e, com isso, guardar todos os documentos originais.

A digitalização traz uma porção de benefícios, como reduzir o prazo da análise das indenizações, fazendo com que a indenização saia mais rápido, além de diminuir as possíveis despesas com extravio de documentos. Para a Seguradora Líder, essa iniciativa, além de tornar mais fácil o acesso do Seguro DPVAT, também melhora a qualidade, aumenta a produtividade e reduz custos, três dos nossos objetivos na busca contínua pelo aperfeiçoamento da nossa operação.

As inovações da Seguradora Líder não param por aí! Em breve, mais iniciativas trarão uma série de vantagens, tais como: verificar quais os tipos de informações relevantes para a indenização, que também podem ser coletadas de forma eletrônica.

O projeto piloto já foi implementado no último mês na Seguradora Líder, e em seis seguradoras consorciadas. A previsão é estender a implantação para todos os parceiros ainda no primeiro trimestre desse ano, entre eles o SINEC-RN.

 

O QUE MUDOU NO SEGURO DPVAT EM 2018?

Mudanças em 2018

No final do ano passado, o Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), determinou redução de 35% do valor do Seguro DPVAT a ser pago pelos proprietários de veículos. Essa foi a primeira grande mudança do Seguro para o ano de 2018.

A segunda mudança foi para os proprietários de veículos do Rio de Janeiro, Minas Gerais e Paraná, que, agora, deverão emitir a guia referente ao DPVAT diretamente pelo site da Líder e realizar o pagamento, separado do IPVA, nos bancos credenciados. Nesse ano, também não há a possibilidade de parcelamento, já que os valores de um eventual parcelamento em três meses não atendem a um dos pontos definidos na Resolução CNSP nº 332/2015. O calendário de pagamento do DPVAT 2018 já está disponível no site da Seguradora Líder, bem como nos DETRANs de cada Estado.

Algumas regras, no entanto, permanecem as mesmas: o pagamento do prêmio do DPVAT deve ser feito no vencimento da cota única do IPVA e, no caso de veículos isentos do imposto, o vencimento se dará juntamente com o emplacamento ou no licenciamento anual. Por falar em licenciamento anual, manter o Seguro DPVAT em dia é obrigatório para conseguir licenciar seu veículo.

É essencial reforçar que o DPVAT é um seguro de caráter social que ampara e protege todas as vítimas de acidentes de trânsito, seja motorista, passageiro ou pedestre, sem necessidade de apuração da culpa, garantindo três tipos de indenizações: morte, com indenização de R$ 13.500,00; invalidez permanente, com indenização de até R$ 13.500,00; e reembolso de despesas médicas e hospitalares (DAMS) em até R$ 2.700,00.

Como diz respeito a todos os brasileiros, inclusive quem não tem veículo, mas se beneficia da proteção deste seguro, além de garantir o pagamento, precisamos conhecer melhor sobre o produto e entender porque todos os brasileiros estão protegidos por este seguro do trânsito, o único do gênero no mundo.

SEGURO PRESTAMISTA CRESCEU 24,3% EM PLENA CRISE

6cd76468-6c62-43db-96a1-3795b4446640

Em tempos de instabilidade na economia e de altas taxas de desemprego, os seguros prestamistas, que garantem o pagamento das dívidas do segurado em caso de perda do emprego ou morte, vem crescendo bem acima da média do mercado.

Segundo dados oficiais da Susep, a receita apurada de janeiro a novembro do ano passado, da ordem de R$ 8,1 bilhões, foi 24,3% maior que a registrada no mesmo período em 2016.

A autarquia apurou ainda que a taxa média de sinistralidade na carteira caiu de 20% para 18%.

Os sinistros ocorridos até novembro passado somaram pouco mais de R$ 1,2 bilhão, o que representou uma queda de 3,1% em comparação aos onze primeiros meses do exercício anterior.

Já as despesas comerciais, que englobam as comissões de corretagem e campanhas promocionais, chegaram a R$ 2,6 bilhões no acumulado de janeiro a novembro do ano passado, com avanço da ordem de 9,2% em relação a igual período de 2016.